Luís Vaz de Camões (1524-1580)

Luís Vaz de Camões Considered the most famous writer in the Portuguese language, he wrote, in Portuguese and in Portuguese, a extensive amount of lyrical poetry and drama but is most remember for his epic poem Os Lusíadas, Luís Vaz de Camões evidently had a life that was full of trials and tribulations, even though very little is really known about it. He used to write his lyrical poetry (Rimas), using a great diversity of different genres: sonnets, songs, eclogues, roundels, etc.

He studied in Coimbra, was at Ceuta and battled in India, losing an eye in the meantime, and, after his return to Lisbon, even though he lived in great obstacles, from a very meagre pension established by the king, and did not see his enormous merits recognized throughout his lifetime.

Os Lusíadas


Canto Primeiro
As armas e os barões assinalados,
Que da ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca de antes navegados,
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados,
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram;

E também as memórias gloriosas
Daqueles Reis, que foram dilatando
A Fé, o Império, e as terras viciosas
De África e de Ásia andaram devastando;
E aqueles, que por obras valerosas
Se vão da lei da morte libertando;
Cantando espalharei por toda parte,
Se a tanto me ajudar o engenho e arte.

Cessem do sábio Grego e do Troiano
As navegações grandes que fizeram;
Cale-se de Alexandro e de Trajano
A fama das vitórias que tiveram;
Que eu canto o peito ilustre Lusitano,
A quem Neptuno e Marte obedeceram:
Cesse tudo o que a Musa antígua canta,
Que outro valor mais alto se alevanta.

E vós, Tágides minhas, pois criado
Tendes em mim um novo engenho ardente,
Se sempre em verso humilde celebrado
Foi de mim vosso rio alegremente,
Dai-me agora um som alto e sublimado,
Um estilo grandíloquo e corrente,
Porque de vossas águas, Febo ordene
Que não tenham inveja às de Hipoerene.

Dai-me uma fúria grande e sonorosa,
E não de agreste avena ou frauta ruda,
Mas de tuba canora e belicosa,
Que o peito acende e a cor ao gesto muda;
Dai-me igual canto aos feitos da famosa
Gente vossa, que a Marte tanto ajuda;
Que se espalhe e se cante no universo,
Se tão sublime preço cabe em verso.



© 2007-2017 All rights reserved